Poemas

Porca selvagem do mato

– 28/03/2014
Cabeça de porco

Foto: Benjamin Earwicker

 

quando convive ou
quando
escreve
tudo parece ferramenta cirúrgica que bifurca pele
quando convive ou quando escreve
cada sílaba é
lâmina de um canivete
que corta a barriga de uma porca selvagem do mato
para jorrar um caldo
muito
mas muito
pastoso
até que o poema entre no mundo
como um homem
soltando grunhidos.
soltando grunhidos.
soltando grunhidos.
no abate, quando a lâmina passeia pela garganta da porca selvagem do mato
percebes que o mundo é aquela irritação nas amígdalas.

A rotina da cidade é uma incisão sem anestesia.
nos faz apalpar a lâmina de um serrote soletrando o verbo insistir.
junto a esse incômodo que é sentir o tédio
cutucando meus rins.

 

Matheus José Mineiro, artesão e autor do livro A cachoeira do Poema na Fazenda do Seu Astral, pelo Selo Tomate Seco. Produz artesanalmente os zines Apologia PoéticaCostelinha com Quiabo e Poesia e Mais um Cadim de Poesia Aí. Blog do autor:www.apologiapoetica.blogspot.com.

Deixe um comentário

Nome *




* Campos obrigatórios

Newsletter

Cadastre seu e-mail e receba atualizações do site

Powered by FeedBurner

 

Livraria Cultura - Clique aqui e conheça nossos produtos!

 

 

Copyright © 2009 Literatsi. Todos os direitos reservados.
Powered by WordPress